Trivial

as palavras me tomam quando eu leio e ainda mais quanto mais escrevo transbordam quando estou triste e dançam (em minha mente) quando estou bem. as palavras apenas me faltam nos mais ou menos da vida a poesia, talvez não aceite a mediocridade.

Confissão

Uma amiga minha perdeu o padrasto para Covid há alguns dias. Antes da perda, ainda na angústia da internação, escreveu um lindo texto de sua trajetória junto a esse “pai postiço”. No seu escrito, confessa seu ódio inicial por esse homem, o ciúme que sentiu de sua mãe com ele e o percurso de emoçõesContinuar lendo “Confissão”

Pretérito

Pedi à cartomante Mudar meu passado Rasguei as cartas Tua caligrafia Insultei tuas neuroses Escondi minhas manias Gritei com a parede Chutei os sapatos Baguncei tudo Joguei fora os versos Tomei taças de gim Na vã tentativa De voltar atrás.

Carta

Minha irmã, há quanto tempo não nos vemos! Esta pandemia atrapalhou tudo, os planos, as idas e vindas, os encontros. Já faz meses que não nos encontramos, muito mais do que o período que normalmente passamos afastadas. Isso sem falar do último ano, quando o convívio foi praticamente inexistente. A falta que os encontros afetivosContinuar lendo “Carta”