Inferno

Na mulher nefasta que habita suas fantasias e enredos esboçados, mora uma criança tola, assustada e ávida por algum apreço. Nas linhas tortuosas de suas histórias amargas e das palavras de onde irrompe fel, mora o deleite de quem esqueceu o gozo. Nos fatos arranjados das tramas nas quais a culpa é sempre alheia, habitaContinuar lendo “Inferno”

Pretérito

Pedi à cartomante Mudar meu passado Rasguei as cartas Tua caligrafia Insultei tuas neuroses Escondi minhas manias Gritei com a parede Chutei os sapatos Baguncei tudo Joguei fora os versos Tomei taças de gim Na vã tentativa De voltar atrás.

Sem litígio

Que as palavras amanheçam Tornadas versos sibilados por desejos Verdadeiros, intensos. Que as cicatrizes Possam se curar Resguardadas por belas tatuagens. Que nossos crimes Possam ser perdoados Pequenos que somos em nossa humanidade.