Raso

Parece haver um senso de urgência Non sense Inúmeros devaneios de prestígio Provincianos Falas em excesso, poucos silêncios A despojar a musicalidade das coisas. Ao me deparar com o ridículo Me calo (mais do que de costume) Pois não serei aquela a apontar A bestialidade dos seres A desimportância dos fatos O absurdo dos gestosContinuar lendo “Raso”

Loucura

As coisas da mente são fascinantes, para o bem e para o mal. É maravilhosa a nossa capacidade de pensamento, aprendizado e, ao mesmo tempo, são assustadores os caminhos desviantes que qualquer espírito, em algum momento, pode tomar. Os transtornos mentais são como perguntas que podem ficar sem respostas sobre o nosso sentido de serContinuar lendo “Loucura”

Loucura

É aterrorizante (Susto que não cessa) Pensar nos atalhos da mente Em loucuras em que cremos E que nos enlouquecem. É apavorante Pensar nos atos Fabulosamente inconsequentes Que trazem consequências Desastrosas. É arrepiante Pensar que tudo Fica por um fio Quando atuamos Nossos piores papeis.