Chuva

A chuva veio cedo, estranhamente em agosto. Quis umedecer o solo e preparar a terra para as sementes da primavera. Veio como um prenúncio: lavar a alma, levar o que não cabe mais. Esfriar os afetos, as emoções extremadas. Umedecer a urdidura da nossa existência para que possamos descartar os fios que não permitem comporContinuar lendo “Chuva”

Chuva incessante

Quando chove sem trégua Como há quatro dias, sem pausa Nos sentimos enamorados pelo sol E esquecemos, por momentos (longos?… pequenos?) Do desagrado que trazem o calor e o suor. Não deixamos de nos queixar, Apenas mudamos o objeto da queixa (do sol para a chuva). A ausência muda a forma de pensar sobre asContinuar lendo “Chuva incessante”