Raso

Parece haver um senso de urgência

Non sense

Inúmeros devaneios de prestígio

Provincianos

Falas em excesso, poucos silêncios

A despojar a musicalidade das coisas.

Ao me deparar com o ridículo

Me calo

(mais do que de costume)

Pois não serei aquela a apontar

A bestialidade dos seres

A desimportância dos fatos

O absurdo dos gestos

O caricato do gozo desmedido

A superficialidade dos afetos

E tantos outros desacertos

Que – graças! – não encontro nas páginas

Em que submerjo.

Pena! Parece faltar poesia ao mundo.

O nascimento do mundo. Joan Miró, 1941.

Publicado por Ana Luisa Bittencourt

Não sou escritora, nem blogueira. Apenas escrevo, eventualmente, em verso ou prosa. Meus textos são todos autorais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: