Luzes do dia

As narrativas sobre os fatos atravessam a realidade

São muitas falas e ruídos que (quase) determinam nosso modo de olhar a vida

Há tantos barulhos, buzinas, gritos de ordem

Notícias, televisão, rádio, análises

Certezas, discussões, ânimos exaltados, excesso de fala

Que até os nossos silêncios tornam-se ruidosos

A nossa voz se apaga, tão rouca que parece.

Quando a noite chega sem o conforto da brisa leve depois do dia quente

O corpo exausto pede por qualquer melodia adocicada

Estética, cadenciada, consoante com as vozes do espírito perdidas no caos na realidade

Para quietar os outros e os pensamentos

Para dissipar o inferno e o mormaço

Para retornar a nós os afetos que nos salvam.

Óleo de Marc Chalmé.

Publicado por Ana Luisa Bittencourt

Não sou escritora, nem blogueira. Apenas escrevo, eventualmente, em verso ou prosa.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: