Culpada

Peço-te perdão

Mas não precisas me perdoar

De fato

Se não queres

Preciso apenas que saibas

Que, embora seja forte,

Sinto-me vil,

Culpada e absurda

E que sem pronunciar

Esse desejo de reparação

Não haverá, para mim,

Vida

Nem mesmo depois

Da morte.

Eugène Delacroix, Hamlet and Ophelia

Publicado por Ana Luisa Bittencourt

Não sou escritora, nem blogueira. Apenas escrevo, eventualmente, em verso ou prosa. Meus textos são todos autorais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: