Excesso de mim

Dia fresco e claro. Manhã cristalina. O vento que sacode o dourado dos ipês traz o resto de frio do inverno enquanto leva minha mente por lugares e tempos distantes. Faz-me pensar no que fora deixado no caminho e no que é preciso deixar de carregar além do peso das roupas.
Tenho pensado em fusões e separações. Em entendimentos e reparações. A vida tem se apresentado em detalhes tantos que me perco, por vezes, na profusão de pensamentos e sentimentos que se avolumam.
Há muito a entender de mim. Há sensos e desejos, avanços e retrocessos. Há a crueza das percepções de coisas toscas, imateriais, esquecidas ou nunca vistas antes. O entendimento tem se feito em passos pequenos e titubeantes.
Qual o tempo das resoluções? O tempo todo, entre o vivido e o por vir. Qual o prazo para se encontrar? Nunca ontem, hoje tampouco: há prestações a serem acertadas pela vida. Minha alma mergulha em pensamentos ora acelerados, ora enigmáticos. Os sonhos acrescentam temperos singulares à realidade: passado e presente, medos e desejos, detalhes tantos, em preto e branco. Acordo e permaneço sonhando. Durmo raciocinando. A cabeça oprime.  O sentimento extravasa. O excesso de consciência cansa. Qual a morada do remanso?

Publicado por Ana Luisa Bittencourt

Não sou escritora, nem blogueira. Apenas escrevo, eventualmente, em verso ou prosa. Meus textos são todos autorais.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: